Assistente editor: Hugo de Aguiar

deaguiar.hugo@gmail.com

seca e desertificação




é longe
o caminho do pasto

a boca do horizonte mira-se na secura
dum sol misterioso e cruel

o instrumento verte apenas uma lágrima
que não atinge os traços da sede
a humidade da modernidade
é parca e rústica

a terra emagreceu

o animal exilou-se
para prados de gordos prantos

Fernando Oliveira

Poema para a obra " Seca e desertificação de, Henrique Tigo

4 comentários:

MiriamLi disse...

Receba, Fernando, os meus sinceros cumprimentos pelos teus poemas feitos para as expressivas obras de Armando David e Henrique Tigo.
Cumprimentos extensivos aos dois autores, dos quais eu gostaria de apreciar também outras obras.
Abraço. Miriam

fernando oliveira disse...

Miriam, obrigado pelo teu comentário, efectivamente trabalhar com os autores da tua arte, abre novas prespectivas para a poesia, estes autores, encontrados nas noites lisboetas, fazem parte duma colecção particular, outros seguirão. isto nada tem a ver com a nossa parceria, que essa, é uma autentica enciclopédia, pictural-poético-bilingue.
obrigado pelo incentivo

abraços

fernando

Efigênia Coutinho disse...

a boca do horizonte mira-se na secura dum sol misterioso e cruel

Fernando, poesia profunda, afunda pelo horizonte, e vem nascer na boca do coração...BRAVO!!!

Efigênia Coutinho

fernando oliveira disse...

Efigênia, uma das minhas caracteristicas antigas, é de explorar as artes plásticas para a prática da minha - tua arte - estamos longe dos monges antigos que disponham de miriades de temas para construirem poesia, hoje temos que ser - somos mais ecléticos e o sentido, a beleza estética da poesia, não fica a perder, temos que surpreender os nossos eventuais leitores e, só o podemos fazer, criando e criando, mesmo se aqui ou além podemos esbarrar contra alguns escolhos, que pseudo-elitistas possam por no nosso caminho.

obrigado pela leitura e incitação.

fernando